Nova Mesa - Curse of Strahd

Olá aventureiros,
Estou começando uma mesa de Curse of Strahd começando lvl 1. Juntem-se à mim na nossa jornada à Barovia para enfrentar as forças do mal que se encontram por lá!
Necessário acontecerá no roll20 e discord da dungeon.

  • Requisitos: Jogadores maiores de 18 anos. Não há restrições de experiência e jogadores iniciantes são bem-vindos.
  • Data/Horário: Domingo, às 19hrs
  • Data de início: Domingo, 11 de Outubro de 2020.
  • Periodicidade: As primeiras 2-3 sessões serão semanais e depois disso passaremos para sessões quinzenais.
  • Número de vagas disponíveis: 3-4
  • História/Adventure Hook: Começaremos a história no nivel 1. Curse of Strahd é uma campanha de terror gótico. Jogadores que tiverem interesse em participar da campanha devem estar preparados para a POSSÍVEL MORTE DE SEUS PERSONAGENS!
  • Critérios de Seleção: Para se inscreverem, por favor comentem a experiência que vocês tem com RPG, ideia de personagem (tentem descrever ao máximo sua idéia, incluindo background etc), qual sua disponibilidade para jogar, se preferem combate ou exploração/role play, e por favor escolham uma carta de baralho (carta e naipe).

O principal objetivo dessa campanha é nos divertirmos!

10 Likes

Nadra, jogo RPG já tem uns bons anos, mas nunca joguei Ravenloft, gosto de um equilíbrio entre combate e exploração, gosto tanto de interpretar, intrigas políticas e investigação, como tbm combate e posicionamento tático, Pensei em um clérigo de Latander, Sune ou Eilistraee se tiver drow liberado, gosto de personagens com uma certa complexidade moral, algo cinza, nem branco e nem preto. Carta O Louco, se não tiver arcanos maiores pode ser a Dama de Copas

1 Like

Olá, eu jogo D&D periodicamente há ± 3 anos, joguei poucas aventuras oficiais e estou bem interessado em conhecê-las. Por mim tudo bem a campanha ser mortal, até gosto disso kkkkkk. Eu sou muito indeciso na hora de escolher personagem, ai acabo indo pela necessidade do grupo , tenho interesse em fazer algum personagem igualmente sombrio, que tenha algum certo interesse no assunto (um background haunted one, ou spy), talvez alguma raça que tenha algum vínculo com as trevas, tiferino ou elfo das sombras. Mas também super faria um personagem carregado de fé (talvez um sage) preocupado com os eventos sombrios e que resolve, com a coragem e fé, tentar descobrir o que está acontecendo (talvez um halfling destemido e bastante religioso). Eu poderia jogar dia 11 sim (eu só não posso passar muito das 23h por mortivos de trabalho). Eu gosto igualmente do combate e role play, o equilíbrio entre eles é minha área de conforto. Carta: Ás de espadas.

Experiência que vocês tem com RPG:
Jogo 5e já a alguns anos (3 eu acho) e já joguei alguns outros tmb (numenera, dungeon world e chamado do cleiton)

Ideia de personagem (tentem descrever ao máximo sua idéia, incluindo background)
To pensando em fazer um humano (variante se der) paladino, pq DIVINE SMITE!!!, Ele é o herdeiro de algum ducado ou condado que acabou por desenvolver-se bastante marcialmente, um devoto de Bahamut, não só é ambicioso, mas tmb arbitrario. Enquando não herda o trono ele se dedica a participar de diversos torneios, pra começar a criar sua fama, fomentar alianças e advertir possiveis inimigos e quem sabe ocasionalmente mandar um DIVINE SMITE, na cabeça de um undead desavisado.

Qual sua disponibilidade para jogar:
Esse horario ta bom pra mim.

Se preferem combate ou exploração/role play:
Eu gosto bastante dos dois, mas prefiro o roleplay pq tem mais oportunidades de sair algo mais engraçado e memoravel.

Por favor escolham uma carta de baralho (carta e naipe):
Ás de espada, pq é a unica que eu conheço

81a042f4a84125bc5aad1f8b3a4c5dde

Jogo RPG desde 97 se não me engano, muito de Storyteller. Jogo a 5e desde 2015 aproximadamente, por está ter incluído mecânicas de RP como background.

Minha intenção é jogar com o Hjortr, um homem que teve a vida modificada por um mal palpável.

“Cidade das Velas. Outrora uma grande cidade governada pelos Altos Capitães, foi rasgada pela grande doença até se tornar uma terra sem lei. Mas o nome deste mal palpável e sem escrúpulos é Arklem Greeth… Próximo ali haviam algumas fazendas. Esta fera desalmada rasgou e destroçou tanto a terra quanto a carne de cada morador, cada fazenda, cada aldeão. Somente uma alma foi poupada do esviceramento, mas destruída por isso.
Teve que sobreviver sozinho após os ocorridos, alimentando assim um ódio tão terrível que chamou atenção dos caçadores de monstros (um grupo de caçadores locais, inspirados na figura do lendário Shadowbane). Armado com a urna com as cinzas de sua massacrada irmã, e com seu desejo de vingança sem limites, (nome do personagem) jurou destruiu todas estas monstruosidades não importando o caminho…”

Domingos são excelentes, estando bem disponível para o horário e situações. Eu tenho ódio a homebrew e afins, então prefiro o jogo como ele é escrito, com seus combates e exploração, interações e mistérios. O Coringa.

Bem jogo RPG a mais ou menos a 4 anos, e especificamente D&D a 3 anos joguei Curse of Strahd uma vez e lembro que a historia é muito boa. Para essa mesa quero fazer uma Barbara, mas ao estilo Samurai, com a historia que na vila onde ela vivia ela não poderia ser uma guerreira e que ela teria aprender a cozinhar e costurar para os homens mas ela nunca quis fazer isso, então ela mostra que sempre é igual a todos não importando que ela seja. Raça: Humana variante Classe: Barbaro Antercedente: Soldado.

Experiência que vocês tem com RPG:
Jogo rpg há uns anos já (acho que mais de 10), embora não com a periodicidade que eu gostaria. Atualmente estou jogando uma aventura em Wildemount e pretendo iniciar outras. Passei por muitos sistemas (rastro de cthulhu, pendragon, lenda dos cinco anéis, fiasco, reinos de ferro, pathfinder 2, D&D 4, 3d&t, etc), gosto sempre de explorar novos sistemas.

Ideia de personagem (tentem descrever ao máximo sua idéia, incluindo background)
Minha personagem seria uma anã cigana (barda). Os pais dela viram a oportunidade de comprar um circo itinerante, o ergueu e o tornou um dos mais famosos. Em um fatídico dia, no entanto, a trupe foi atacada na estrada por criaturas sombrias. Tendo sobrevivido por pouco, ela busca pistas sobre o que eram aquelas coisas, o destino dos seus pais e o motivo do ataque. A única pista que conseguiu encontrar falava de um lugar chamado Ravenloft.

Qual sua disponibilidade para jogar:
Não tenho nenhum RPG nos finais de semana, seria perfeito.

Se preferem combate ou exploração/role play:
Meio a meio. Gosto de mistérios e também de combates que não sejam apenas “eu ataco.” Tenho um blog onde gosto de escrever as histórias dos RPG’s, acho que engaja mais as pessoas.

Por favor escolham uma carta de baralho (carta e naipe):
6 de ouros.

Estou ciente no quão mortal é a aventura, já ouvi muita gente comentando, tenho interesse em jogar, e estou tranquilo para jogar no horário marcado. (Menos no dias de eleições municipais que serão em novembro, estou como mesário e provável que não conseguirei chegar nas sessões)

Jogo RPG há quase 3 anos, comecei com o DnD 5e, jogo/mestro outros sistemas além dele também. Gosto do equilíbrio entre o RP e combates.

Aqui vai minha ideia de personagem.

Nome: Ashe Heavendreamer

Raça: Aasimar (Protector)

Classe: Clérigo (Life Domain)

Alinhamento: NG (Neutral Good)

Personalidade: É uma pessoa bem calma e tenta sempre resolver as coisas de forma diplomática, gosta de ajudar seus aliados em qualquer situação, de fazer as pessoas acreditarem nelas mesmas e de manter a esperanças em qualquer caso.

Background: Acolyte
Nascida em Daggerford , seus pais a batizaram na igreja de Lathander, onde os clérigos da igreja perceberam que a menina possuía sangue celestial, logo pediram a família para que Ashe se tornasse uma acolita da igreja, eles ficaram felizes e não pensaram duas vezes, aceitando o pedido.
Ashe desenvolveu rapidamente sua fé em Lathander, o qual lhe concedeu poderes divinos para espalhar esperança e prosperidade as pessoas, então o senhor da alvorada de Daggerford dá sua primeira missão fora da cidade, Ashe fica muito feliz em finalmente poder demonstrar a bondade para o mundo afora.

Carta e Naipe: Dama de Copas

Imagem da Ashe

Olá,
Para combinar com o clima sombrio de Ravenloft, quero apresentar um personagem heroico mas sombrio, um anti-herói se preferir, agindo com seus róprios critérios de justiça. Clique nas setas á esquerda para expandir as sessões.

Experiência com RPG

Jogo faz 4 anos principalmente D&D 5e. Participo de sessões de tempos e tempos mas ainda não tive a oportunidade de me investir em uma longa aventura, apesar disso, procurei bastante história dos cenários, conversas sobre RPG e sessões gravadas/lives, o bastante para eu mesmo começar á mestrar 5e. Atualmente preparando minha 1a campanha na Dungeon.

Personagem

Houve uma época em que eu acreditava, quando defendia a lei. Aqueles que procuram perturbar o modo ordenado das coisas logo encontrariam minhas algemas em seus pulsos. Houve um tempo em que eu acreditava que a justiça seria feita nos tribunais, que os ímpios seriam punidos adequadamente por seus crimes contra a virtude judicial. Mas eu estava errado.


Reynald nunca conheceu seu pai elfo que sempre negou ter filhos com uma humana. Sua mãe morreu ainda jovem, como o resto de sua família o via distante por causa de sua raça, passou muito tempo sozinho. Muito apegado a tudo que tinha e pegando o que julgava que não faria falta, com medo de perder ainda mais. A cleptomania ainda é um vício com qual ele luta. Até que, talvez procurando algo a que pertencer, tornou-se um guerreiro da fé.
O meio-elfo como paladino acreditava no valor da lei e justiça, caçava criminosos levando-os á julgamento. Seus atos legítimos certamente consertariam suas imperfeições. Sua visão portanto mudou quando viu a corrupção mesmo nos que se dizem protetores da justiça, livrando poderosos criminosos mesmo com todas as provas contra eles. Novamente e novamente, viu bandidos influentes saindo pela porta da frente das prisões impunes.
A lei não era mais eficiente em seus olhos, buscando uma resposta para defender o bem, se deparou com uma espada negra, enquanto se aproximava, vozes em sua cabeça prometiam o poder para ele mesmo punir os malfeitores, ele mesmo seria o juiz e o executor.
Ao pegar a arma, percebeu seu engano, uma criatura de sombras surgiu e o atacou. Reynald não teve chance contra a horrível criatura e caiu inconsciente. Ao acordar percebeu que não apenas recebeu poderes do Pendor das Sombras (Shadowfell), tornando-se um Warlock Hex-Blade, por meio da criatura anterior, mas também que teve sua sombra roubada, seja por luz do sol, de fogueira ou mágico, sua sombra simplesmente não se projeta mais a partir de Reynald. Combinando os poderes do Pendor das Sombras, uma origem não tão confiável, com o seu juramento de paladino, faz rituais julgando seus inimigos e decidindo se devem ou não ser executados. Ao mesmo tempo que reza para não encontrar a criatura novamente que fica artomentando seus pesadelos.
Ele começará no 1o lvl como paladino e apenas mais tarde despertará os poderes adquiridos com o pacto de warlock.
Disponibilidade

Não tenho nennhum compromisso fixo nos domingos á noite então, de forma geral, devo não ter problemas em comparecer ás sessões. Além disso, estou bem familiar com as regras básicas da 5e, com o discord e com o roll20.

Estilo de jogo

Minha parte favorita em qualquer história é experienciar os seus diferentes personagens, e no rpg, a forma mais mais eficiente de fazer isso é com o role play, gosto de tentar ter uma boa conversa com um personagem que eu deveria estar lutando se tiver a oportunidade. De forma secundária, gosto de criar personagens com estratégias de combate em mente e vê-las funcionando, mas ainda priorizo o roleplay, se for pelo bem do role play, sou capaz de sacrificar um bom combo.

Carta de baralho

7 de Copas.

Espero que aprove o meu personagem e, caso aprove, seja selecionado. Ouvi coisas muito positivas sobre essa aventura (ñ spoilers) e estou com muita vontade de jogar, estou há um tempo me candidatando para mesas, não consigo jogar há meses e estou com sentindo os efeitos da abstinência de RPG (hehehe).

1 Like
Experiência: Jogo RPG consistentemente há 3 anos. Joguei primariamente até hoje D&D5e e sou experiente com o sistema, mas conheço outros superficialmente. Tenho centenas de horas com Roll20 e atualmente jogo em três meses na plataforma.
Disponibilidade: Idealmente eu gostaria que começasse uma ou duas horas antes das 19h, mas esse horário funciona para mim sem problemas.
Carta: Rei de Paus, porque a flor de paus é puro estilo e estética. :clubs:
Preferências: Eu realmente gosto de tudo, mas se tivesse que hierarquizar, diria que combate/narrativa > exploração/interação social.
Ideia de personagem:
“Muito tem sido falado nas torres acadêmicas e nas catacumbas dos lich sobre a malevolência inerente da Shadow Weave de Shar ou como toda energia dela provinda é negativa. Essas afirmações são baseadas em observações anedóticas e muitas vezes sem serem submetidas a uma pesquisa mais aprofundada de sua validade. Meu trabalho muito próximo ao uso frequente dessa Weave me ofereceu privilégios ímpares para um estudo minucioso, e os resultados são simultaneamente decepcionantes para os malignos, envigorante para os amantes de complexidade e absurdos para os tradicionalistas. Por exemplo, os experimentos sugerem que a negatividade na verdade é uma inversão espectral das energias formadas…”

-Trostenwald, Abigail. (1485 DR). Tratado sobre a natureza e origem divinas da Shadow Weave criada por Shar e suas implicações para o lançamento de feitiços e encantamento de objetos
Abigail nasceu numa cidade média na borda do Shadow Sea num cemitério local famoso numa sexta feira 13 de Janeiro durante o profundo inverno, quando a barreira entre o plano etéreo e o material afinam, e sob a presença próxima de Thultanthar nos céus. As amplificações na Weave causaram seu espírito a absorver os ecos de um Wraith local e abrir sua alma para a magia. Ela se tornou o que chamam de feiticeiro, mas sua magia tem uma energia negativa e sombria. Sua mente também foi afetada: ela sofre de psicopatia (o diagnóstico clínico, ela não é Chaotic Evil, na verdade tem uma ética própria bem desenvolvida :wink:). Seu pai é coveiro e sua mãe apotecária, mas ela estaria destinada a mais, apresentando capacidades intelectuais prodigiosas desde a tenra idade. Ela conseguiu bolsas de estudo em Thultanthar e contribuiu para muitas pesquisas sobre a Shadow Weave e o Underdark, mas abandonou a cidade quando a guerra se intensificava. Felizmente, pois pouco tempo depois, em 1487 DR, a cidade caiu no continente. Ela hoje vive com seus pais, elaborando o que fará da vida, presa num lugar com poucas oportunidades para alguém como ela.

Mecanicamente, ela é humano variante (PBH), feiticeira das sombras (XGTE) de background Sage (PBH)

Fala povo, Tymora abençoe a todos com muitos 20.
Gostei da proposta Voyoveda. Jogo RPG há muitos anos como jogador e mestre. Tive pouco contato com 5e pois estamos jogando mais 3.5 e Pathfinder, mas do que joguei pude ver que há pontos positivos e negativos na mecânica.
Quanto a Ravenloft, ah… quem não adora.
Gostaria de jogar com um necromante, à procura de conhecimento depois de uma vasta investigação aonde ouviu falar dos poderosos liches. Com esse conhecimento certamente poderia evoluir seu poder e obter a vida eterna melhorando seus poderes arcanos. Certamente usaria o roleplay para conduzir o grupo a me ajudar a conseguir este conhecimento, quase um antagonista em paralelo dentro do grupo, ajudando aqui e ali mas com meus próprios interesses.
Seria até um pouco impulsivo dado o tempo exíguo para conseguir esse poder e sempre ocultaria minhas intenções.
Posso jogar durante a semana a noite, menos na quinta.
Rei de ouros.

Oi. Pois bem, eu jogo RPG desde 2009, começou mestrando DnD4e na marra e fui evoluindo. Nunca joguei cenário oficial no entanto, só cenários próprios meus ou de outras pessoas. Estou 100% de acordo com morte de personagens, principalmente se vc cobrar as consequências de nossas ações.

Minha personagem:
Nome: Alice

Raça: Changeling (Posso trocar, mas tenho um motivo para escolher ela, se quiser pode perguntar PV)

Classe: Rogue

Background: Haunted One

História: Alice é uma changeling que está perdida na vida. Isso a levou a vagar pelos distritos mais pobres da cidade. Conhendo algumas boas pessoas, mas no geral se metendo em problemas devido a sua natureza meio enxerida, incluindo um incidente que a deixou traumatizada. Ela tenta esconder, mas por vezes quebra e demonstra suas cicatrizes.
Alice prefere resolver os conflitos na manha, mas se não der certo, ela tem uma lâmina pronta e uma rota de fuga preparada. Alice embarca nessa jornada para se auto-conhecer, dividir e receber a sabedoria dos companheiros e daqueles que a encontram.

Carta: Rainha de Paus

Opa, mesa da mestre Ana!

Sempre tive muita vontade de jogar CoS, já que todo mundo diz que é muito bom, então espero que eu seja escolhido.

Bom, tenho alguma experiência com a 5e. Acho que jogo há uns quatro ou cinco anos, mestrando uma boa parte desse tempo.

Jogar aos domingos, no horário proposto, é bom pra mim. Começar semanal e se tornar quinzenal também não tem problemas.

Gosto bastante de todo os aspectos do jogo, mas claro que combate e roleplay sao as partes mais interessantes, rs.

Carta: Valete de copas

Personagem: Halfling druida, background eremita.
Radast é um Halfling resoluto: após sofrer um grande trauma, se isolou para buscar iluminação e sabedoria. Se aprofundou em seus estudos do entendimento de todas as coisas naturais, e após muitos anos de completo isolamento da sociedade, ele fez uma descoberta grandiosa.
Cheio de medo, mas também de propósito, ele partiu em sua jornada.

Tá um pouco vago, mas aí a gente pode trabalhar nos detalhes caso eu seja escolhido. Tô com umas ideias bem legais pra deixar o personagem bem interessante.

Oi, estou a um tempo querendo voltar a jogar RPG e a descrição da campanha me chamou atenção, a pouco tempo tentei mestrar uma campanha parecida, mas os jogadores tiveram um conflito de disponibilidade e por conta disso a mesa não pode prosseguir.

Experiência que vocês tem com RPG:

Comecei a jogar RPG em 2017 com o D&D 5e. Inicialmente fui o mestre de uma mesa entre amigos presencialmente, e de lá para cá venho tentando aperfeiçoar minhas habilidades de mestre e jogador.

Ideia de personagem (tentem definir ao máximo sua ideia, incluindo fundo)

Antes de criar a história do personagem, gosto de conhecer o universo em que ele se aventurará, além disso, como iniciaremos do nv 1 prefiro que ele tenha apenas o motivo para se aventurar, e deixe os grandes feitos para o decorrer da campanha. Pela sua introdução ao cenário, pensei inicialmente em algo assim:

O nome do meu personagem é Jimmy Loragram, mais conhecido como Jin. Ele é um jovem humano de uma vila as margens da civilização que presenciou o momento que sua irmã Laura foi mordida por um vampiro. Para evitar que os demais aldeões a matassem, Jin ajudou Laura a fugir, porém algumas semanas depois ele perdeu o contato com ela. Após 1 ano do acontecido e com mais conhecimento sobre o mundo e as criaturas que o habitam, ele decide sair a procura de sua irmã e de alguma forma quebrar a maldição dela para traze-la de volta para casa. Apesar de todos no vilarejo afirmarem que ela deve ter sido morta por algum caçador, ou outra criatura, Jin ainda tem esperança de encontrá-la novamente e não descansará até sua missão ficar completa.
Apesar de ser uma pessoa de personalidade tranquila, não recusa o convite a uma boa competição ou uma disputa amistosa. Apesar de se achar bom com o arco, ele sabe que sempre encontrará alguém melhor e não deseja ficar para trás. Embora leve a vida como um brincalhão, nas horas sérias se concentra para atingir seus objetivos da melhor maneira possível.

Qual sua disponibilidade para jogar:

Atualmente não estou participando de nenhuma mesa, então o horário de 19 hrs está excelente para mim. Além disso, se precisarem mudar o dia da seção ou horário está tudo ok para mim.

Se preferem combate ou exploração / role play:

Gosto de ambos, para mim o equilíbrio entre eles é o ideal. Geralmente não tenho muita sorte nos dados, então tento compensar no roleplay.

Por favor escolham uma carta de baralho (carta e naipe):

Dama de paus (trevo)

Humano, Patrulheiro

Cara faz meses que procuro uma campanha oficial/mais longa para jogar, me envolvi em muitas mesas que acabam morrendo e isso dá uma bad imensa! hahahaha Bom, jogo d&d há uns 15/16 anos, comecei na 3.5 e pulei direto pra 5e, tenho um grande arrependimento chamado “pular o pathfinder”. Gosto de criar personagens que acho legais em conceito e habilidades, assim a minha idéia é:

Um clérigo da tempestade marinheiro que viaja o mundo fazendo negócios em zonas portuárias, de sua própria maneira claro, e que é parte de uma tripulação conhecida como “Marujos da Tormenta” por sua habilidade de navegar através de tempestades em segurança. A história do personagem se desenvolve através dessas aventuras marítimas até que em meio a uma tempestade ele é atingido por um raio e desperta seu talento mágico natural, se tornando um feiticeiro da tempestade. Com a recém descoberta habilidade ele se torna um trunfo valioso para sua tripulação ao mesmo tempo que começa a almejar mais descobertas como a de sua magia natural até que ele decide buscar mais sobre essa área e se afastar um pouco dos mares mas para sair de sua companhia marítima ele foi obrigado a fazer um juramento onde garantia que assim que descobrisse o suficiente para satisfazer seu desejo ele os procuraria e aplicaria suas habilidades e conhecimento para expandir a mesma e gravar o nome dela na história.
*Tenho idéias sobre a história futura da companhia e afins, caso tenha interesse assim podendo ter hooks de inimizades, aliados e problemas derivados dela…

Pra resumir meu personagem:
Raça: Tritão/Meio Elfo ou Fallen Aasimar (O que você permitir, considerando que Tritão é preferível)
Classe: Clérigo da Tempestade 1/Feiticeiro da Tempestade X
Background: Marinheiro(sailor)

Quanto a minha preferência por estilo de jogo eu amo um bom combate táctico e bem feito mas, dependendo do entrosamento do grupo dá pra fazer grandes sessões de RP e exploração, curto muito mistérios e puzzles então acho que me divertiria de qualquer das maneiras hahaha

Minha carta seria o coringa, mas se não puder… 7 de ouro é TOP!

Abraço e espero jogar com você!

Eu jogo rpg a mais ou menos 6 anos

  • Minha idéia de personagem seria um guerreiro doente, com antecedente nobre, que herdou a posição de poder após seu pai morrer, e comandava a pequena região como um tirano, até que reinos próximos ficaram sabendo do tirano que estava cada vez mais influente e prosperando, assim se tornando uma ameaça. E ocorreu uma tentativa de assassinato mais sútil que enviaria uma mensagem a população, a família real foi envenenada com uma substância que deteriora o corpo, deformando a pele, quase como se estivesse apodrecendo de fora para dentro. Assim apenas Nofir (meu personagem) sobreviveu e sua esposa e filha morreram devido a enfermidade, porém Nofir sobreviveu, mas sua pele ficou toda marcada e com excressão de líquidos, assim fazendo com que tenha que usar ataduras para disfarçar o cheiro e o visual horrendo de seu corpo o que o fez adotar uma máscara.

  • A minha idéia não é fazer um personagem evil, e sim alguém que já foi assim, porém está tentando melhorar e ajudar as pessoas, por todos essses anos que gastou da sua vida em futilidades e destruindo a vida alheia, alguém mais neutro. Também um personagem que não tem medo de morrer, sem motivos pra sobreviver, mas mesmo assim continua indo em frente e não desiste, não se importa mais com a própria vida, mas se importa com quem está a sua volta. Um sobrevivente que não tem medo de morrer ajudando quem lhe importa.

  • A minha disponibilidade domingo é perfeita, já que só posso jogar nos finais de semana, e nenhum problema com começar semanalmente e passar para quinzenal, é a mesma coisa que uso na minha campanha, eu mestro quinzenalmente, já que ser mestre é algo que exige bastante e transformar um hobby em um dever não é interessante.

  • Eu prefiro um equilibrio entre exploração e combate e role play, porém eu não suporto quando tem combate toda hora, se for no meio do mato é claro que pode dar problema e ir brigando o caminho todo, mas toda sessão ter 5 encontros também cansa muito, e muito pouco combate tmb cansa, é aquele tipo de coisa dificil de equilibrar, a sede de sangue de player safado e exploração do mundo.

  • Minha carta seria Dama de espadas

  • Eu ja tinha a idéia desse personagem a muito tempo e sempre quis usar ele, e parece que curse of strahd é um lugar excelente pra jogar com ele.

1 Like

Oi, eu tenho uns 2 ou 3 anos de experiencia com DND e minha ideia de personagem é mais ou menos assim.

-Aasimar Sorcerer of the Wild
Jack tem cicatrizes nas palmas das mãos, e por isso usa luvas, mas gosta de sentir aquilo em que toca, por isso cortou as pontas.
Não é orfão, mas vaga sozinho pelas cidades, talvez por escolha, não da pra saber, nem ele sabe.
Uns diriam que a escolha foi de seus pais que não aceitavam magia, achavam que era algum tipo de maldicao. Ou diriam que a escolha foi de sua vila, que o culpava por um ano de colheita mal sucedida. Mas a escolha tambem poderia ser dele, que não aguentava mais aquele lugar.

Carta escolhida: Ace of Spades.

Eu gosto do meio a meio xD Metadinhas de batalhas e metadinhas de role play.
mas nao me oponho a nenhum estilo.

Olá aventureiros e @staff
Depois de muita deliberação cheguei a decisão da party que irá para Baróvia.
Adorei a idéia de todos os personagens, mas não da pra escolger todos.
Players serão: @Gleison_Sousa, @Hexig, @Chronus, @Eduardo e @Fred_Franca
Vou colocar vocês no canal da aventura e nos falaremos por lá para mais detalhes!
Obrigada a todos que se inscreveram, de coração! Nunca imaginei que teria tantas inscrições.
:heart:

3 Likes