Kainon Häire

Apresentação

Raça: Tiefling
Classe/Nível: Warlock 4
Background: Criminoso
Sexo: Masculino
Tendência: Caótico e neutro
Atributos: 10-14-13-9-12-19

Descrição

Kainon (KA-í-nom) é um tiefling sem rédeas. Com uma infância precária nas ruas de Waterdeep, vivia sempre escondido e sobre capuzes para evitar os olhares tortos e acusações infundadas de crimes que ele ou sua família não cometeram, bem como para não escutarem comentários de que eram pragas nojentas naquela cidade.

Porém a situação mudou quando o jovem tiefling descobriu as “vantagens” de se parecer com um demônio. Usando isso a seu favor.em vez de se esconder e se “controlar”, passou a usar intimidação para roubar e extorquir, dando uma vida mais digna a sua família. Apesar disso, ainda precisava se esconder nos becos mais obtusos da cidade e isso o deixava incomodado e furioso.

Pelos seus feitos, ganhou certo conforto e fama, sendo chamado para ingressar nos Zhentarim. Foi ai que sua falta de limites quase custou sua vida. Durante um de seus roubos, ao achar que ninguém, nem mesmo a guarda ousaria mexer com um tiefling durante uma “possessão” ilusória, Kainon foi pego pela guarda e todos seus “companheiros” de guilda o abandonaram, e ele foi espancado até quase ser morto.

No entanto, Kainon foi salvo por uma voz vinda do fundo de sua cabeça, que dizia ser um antigo parente que poderia ajudá-lo a fugir dali para sempre ao mesmo tempo em que ganharia um poder inigualável. Bastava apenas ele jurar lealdade para sempre. Sem muitas opções, Kainon aceitou o acordo e no mesmo instante poder arcano o preencheu, dando forças para escapar da Cidade dos Esplendores.

Kainon estava livre. Sua breve passagem pelos Zhentarim e a incompetência de sua família em apoiá-lo na missão de se libertar de olhares preconceituosos só o fizeram acreditar que fora traído e a partir dali não seria mais escravo da vontade de ninguém. Foi ai que seu “salvador” cobrou o preço.

Num primeiro momento, a voz dizia que ele precisava mostrar seu valor, por isso ela “permitiu” que Kainon continuasse sua vida de crimes, roubando pequenos vilarejos e matando se fosse preciso. Só assim seu poder seria revelado e a força dada pela voz seria cada vez maior. Sedento pela sensação de liberdade, o tiefling cometia os atos, primeiro de forma isolada, depois junto de criaturas escrotas, como kobolds.

Apesar do aborrecimento, Kainon estava no controle, livre para fazer o que bem entendesse pela primeira vez em sua vida. Aquela era uma escolha sua, fazia por que se sentia bem, pelo menos era como a voz o fez crer.

O próximo ataque seria na vila de Greenest. Durante a invasão, o dragão apareceu, a situação parecia fora de controle e foi então que ele se tocou que era apenas um peão em um jogo muito maior. Kainon se recusou a ser usado, mas a voz agora o obrigava a continuar, ele não tinha liberdade, não tinha escolha. Mas ele se segurou até onde aguentou, não atacou, não matou nenhum inocente, o que quase custou sua sanidade.

Cansado daquela voz o manipulando, ele fez o que pode para se libertar dela, mas não conseguia, o poder não o deixava, risadas maléficas enevoavam seus pensamentos. Kainon pela primeira vez sentiu remorso e agora tenta quebrar seu pacto, ajudando a combater aquele culto do qual involuntariamente fez parte para poder ferrar com que ferrou com ele. Ninguém mexe com Kainon Häire sem pagar caro.

Ficha:
Kainon H_ire.json (134.5 KB)