Ímpeto - O "Imp" - Guerreiro da Luz

Esse é um dos personagens que queria criar faz tempo, talvez eu o aprimore para ser mais interessante. Sugestões são bem vindas :grin:!

Edit:

Essa é a segunda versão do personagem, algumas coisas mudaram nele como o seu nome (antes era Damien agora é Ímpeto) e sua história. Achei que essas alterações seriam mais interessante para o personagem que eu gostei demais para simplesmente abandona-lo e criar um outro com essas ideias.

Vamos ao personagem:

Apresentação

Nascido e criado nas trevas mas encontrei a luz. Sou um paladino de Tempus convertido após crescer dentro de um culto, salvo pela minha mentora e pelo arrependimento de minha mãe.
Usei o apelido que eu tinha na infância: “Imp” e o transformei em minha força. Escolhi Ímpeto pois jurei juntar minhas forças para erradicar todo o mal do multiverso de toda a forma que eu for capaz para previnir que as trevas continuem engolindo pessoas boas como foi minha mãe e como quase foi comigo.

Descrição

História/Background:

(Acolito)
Fui criado em meio a um culto á Asmodeus, que diziam que eu era o próprio filho do arquidemônio, o que hoje acredito que seja mentira (o que se esperar de um culto ao senhor das mentiras?) mas era algo que eu acreditava firmemente durante minha infância, quando eu era uma espécie de símbolo para o culto, era chamado de Amnon.
Minha mãe, Fyevarra, era parte do culto e tinha um pacto com Asmodeus, o que foi o motivo de mentirem sobre aminha origem quando viram um tiefling no colo de uma serva do diabo. Um dia porém, Fyevarra passou a visitar secretamente uma clériga chamada Lyndis, uma heróica anã filha de uma família nobre que abticou do seu título para servir os deuses. Minha mãe procurava redenção para ela e para seu filho e uma forma de se livrar do pacto.
Quando eu tinha 6 anos, o culto descobriu o segredo de minha mãe, o que forçou a me pegar no colo e fugir para o templo de Tempus, onde Lyndis estava. O culto nos perseguiu querendo sangue como pagamento da traição e o tiveram. Minha mãe chegou no templo seguida pelos cultistas e se sacrificou para que tivesse tempo da clériga de Tempus expulsar osinvasores impedindo de que me levassem de volta.
Lyndis então deixou os meus cuidados a um orfanato em Baldur’s Gate que sua igreja financiava. Tive poucos amigos no orfanato, eu era uma peste, vivia revoltado pois antes eu era tratado comoo um rei no culto e passei a ser xingado por crianças que não queriam falar o meu nome “Amnon” e me chamavam de “Imp”. Tinha baixa auto-estima por causa disso: eu me considerava um monstro já que ninguém me queria por perto, exceto por Lyndis que me visitava frequentemente.
Quando completei 14 anos, Lyndis se convenceu que a vida no orfanato não me fazia bem e que ela poderia direcionar a minha agressividade para o bem se ensinasse diciplina, então ela me acolheu como seu escudeiro e estudante. Estudei a arte da Guerra e demonologia, assim comecei a ver os corruptores como eles realmente são e deixei de admirá-los. Com sabedoria, minha mentora mudou minha vida direcionando toda a violência que acumulei na infância no combate contra criaturas malignas. Então para representar essa mudança, usei meu apelido “Imp” para escolher o meu nome de honra que condiz com minha força: “Ímpeto”.
Após Lyndis ter me ensinado tudo que podia, sai pelo mundo procurando oferecer minhas habilidades a serviço do bem, honrando minha mentora e minha mãe.

Traços de Personalidade

  • Ímpeto passou tanto tempo no templo que acabou tendo pouca prática em lidar com pessoas de fora dele.

  • Ele tenta trazer justica para todos que necessitam dela, seja como um ato de piedade mas normalmente como uma condenação.

Ideais:

  • Ele quer se provar para seus aliados que ele é digno da posição que se encontra, esse traço é proveniente também do seu defeito.
  • Para que a injustiça acabe, o mal deve ser exterminado e ele vai colocar suas forças a serviço para que isso se torne possível.

Defeitos:

Ele é extremamente crítico das próprias habilidades e dos seus próximos, raramente ele acha que é bom o bastante para encarar os seus desafios.

5 Likes

Bem inusitada a ideia: um Tiefling Paladino. hehehe

O cara cresceu com todas as razões para odiar tudo e todos e querer matar todo mundo, mas no final ele vira paladino. Dá pra brincar muito com isso como mestre…

Se você quiser focar mais ainda na história:

Conta um pouco mais sobre essa parte. Por que exatamente ela foi acusada de bruxaria? Talvez isso tenha algo relacionado a você? Quem sabe ela realmente era uma bruxa e você é descendente de uma linhagem de bruxos, com poderes desconhecidos? Que no caso você descobriria durante alguma aventura?

Quem é essa Lyndis? Raça e classe, pelo menos, seriam interessantes mencionar. E por que ela quis te salvar? Puro altruísmo ou segundas intenções?

2 Likes

Vlw o comentário, deixa eu esclarecer algumas coisas:

  • A acusação da mãe dele:
    Parti do princípio dos modos de se conceber tieflings:
  1. Pelo menos um dos pais também era um tiefling

  2. Algum mau se manifestou no personagem em algum momento de sua vida (incluindo o período de gestação dele) que o transformou em tiefling.

  3. Pelo menos um dos pais era, literalmente, um diabo/demônio
    Como não se sabia do pai de Damien, os responsáveis pela morte da mãe dele, tomados pelo clássico preconceito contra os tieflings, assumiram que ou o pai era um demônio/diabo ou que ele era fruto do envolvimento da mãe com bruxaria.
    Se essas acusações por acaso estão certas, Damien não sabe e, como planejo jogar com ele um dia, não acho que eu deva saber. Acredito que isso deva ser função do mestre, me surpreender com a verdade sobre o passado do meu personagem durante nossa aventura. Talvez a mãe e seja mesmo uma bruxa que deixou poderes como herança para Damien, talvez o pai dele seja um poderoso demônio que prometeu poderes para a mãe ou talvez o pai era só um simples tiefling que amava a mãe de Damien. Se eu mestrar para um jogador que pegue esse personagem, eu penso na resposta.

  • Sobre Lyndis:
    Eu realmente ainda não pensei muito sobre ela, definitivamente desenvolverei ela mais na próxima versão desse post, obrigado por apontar esse ponto interessante. Até agora, só desenvolvi ela tendo como inspiração o corcunda de notredame, ele uma criança de aparência desprezível por qualquer um que é salvo e protegido pelo sacerdote de notredame após a morte da mãe. Lyndis (Lyn pros intimos) é uma cleriga de um deus que tem como domínio a guerra e não é mal (acho melhor não especificar um para poder pegar um deus diferente dependendo do mundo que se jogar). A princípio ela é boa porque isso seria responsável pelo ideal bondoso de Damien. Mas vou pensar mais nela, mais sugestões sobre como desenvolve-la é mais do que bem vindo :grin:
1 Like

Um dos pais! kkkkkk meo deos… essa mãe ae… ahushausahs

Então cara, eu acho bastante interessante essa ideia. Realmente, é o mestre quem decide, mas você pode fazer sugestões da mesma maneira e pedir para que o mestre as aprove. É só adaptar história para cada aventura que você for participar, se necessário.

E quando você chegar na versão final da sua personagem, é só editar o primeiro post. :anismart: