Amália Flint, O Fantasma dos Mares

  • Sistema
    • D&D 5e
  • Raça
    • Half-Elf (Mark of Storm)
  • Classe
    • Rogue (Swashbuckler)

Apresentação

Nome: Amália Flint, O Fantasma dos Mares
Raça: Half-Elf (Mark of Storm)
Classe/Nível: Rogue (Swashbuckler) / 3
Alinhamento: Caótica Neutra
Sexo: Feminino
Atributos (Point-buy):

FOR: 10
DES: 16 (15+1)
CON: 12
INT: 12 (11+1)
SAB: 10
CAR: 16 (14+2)

Background: Pirate - Sailor
Traços de Personalidade: Meus amigos e tripulação sabem que podem contar comigo pro que der e vier.
Ideais: Estou comprometida apenas com minha tripulação, não com ideias; Apenas navegando podemos encontrar a verdadeira liberdade.
Defeitos: Eu vendi minha alma por conhecimento, almejo grandes feitos para te-la de volta.
Medos: Eu não aceito quando alguém duvida de minha coragem ou do meu comprometimento para com minha tripulação
Equipamento: Inicial
Aparência:

Amália Flint nasceu em uma família pobre, numa cidade costeira imperial. Sempre sofreu com o preconceito por ter nascida como meio-elfa.

Seu pai trabalhada duro nas docas, descarregando navios cheios de especiarias, ouro, pedras preciosas. Toda aquela riqueza entrava na cidade pelos ombros de seu pai e dos outros trabalhadores.

Amália sentia na pele a desigualdade social e o preconceito. Vivendo em meio à marinheiros, sempre escutava história de intrépidos capitães que arriscavam suas vidas lutando contra navios imperiais e mercantes para roubar seus carregamentos e revendê-los com grande lucro. Amália começou a sonhar grande, sonhar em ter um navio próprio e se tornar o terror dos mares.

Sua vida como “arruaceira”, “criminosa”, começou com roubos pequenos na região portuária da cidade, mas sempre tendo que pagar sua parte para o “Rei dos Mendigos” (o chefe da organização criminosa mais importante da cidade).

Tempos depois aceitou trabalhar como marinheira em uma corveta de pequeno porte chamada “Morte Súbita”, capitaneada por Nataniel Ondurman (um corajoso, mas burro, meio-orc). O navio recebeu esse nome não por ser uma ameaça à seus inimigos, mas por conta da alta taxa de mortalidade entre seus tripulantes (talvez causada pelas péssimas decisões tomadas pelo capitão durante as batalhas e abordagens).

Seguindo as ordens de Nataniel e aprimorando sua luta com sua rapiera, Amália provou seu valor e se tornou a imediata do Morte Súbita (por ser uma guerreira competente e por conta de uma flecha ter atravessado a cabeça do imediato anterior).

Durante sua 6 incursão nas rotas comerciais ao leste, que traziam sempre navios abarrotados de especiarias, por conta de um ataque mal calculado à um navio cargueiro protegido por Fragatas Imperiais (do dobro do tamanho de uma corveta), Nataniel Ondurman encontrou seu fim, quando uma chuva de flechas o transformou em um “ouriço”. Tomando o comando do navio, Amália decidiu que uma retirada estratégica seria a melhor saída.

Vendo que ela se importava mais com a vida dos marinheiros do que com a glória da batalha, os sobreviventes rapidamente a aceitaram como a nova Capitã do Morte Súbita.

Reparando o seu navio e pronta para “crescer” na vida de capitã pirata, Amália Flint fará qualquer coisa pela sua tripulação, e caçará os ricos e gordos cargueiros imperiais que se “perderem” em tempestades ou de seus outros comboios, ganhando o apelido de O Fantasma dos Mares, por seus ataques inesperados vindos à noite ou sempre depois de uma tempestade.